25/05/2017

Abandono num texto desconexo

Abandono, ato ou efeito de largar, de sair sem a intenção de voltar

Abandono num texto desconexo da terra seca pelo deserto de vidas cansadas, numa mistura do que é certo para traçar o real da história, onde vivemos sem saber o motivo de se estar a procura dos espaços vazios que giram por uma noite escura de trovoadas sem parar, ou num ressurgir do enfrentamento por conta desse abandono.
Abandono
Imaginar as linhas paralelas que de um ponto jamais tornarão a se encontrar, transformaram um possível cheio, em possibilidade tão remotas turbinando os cérebros amedrontados em uma esperança de futuro carregado de falsas promessas estilhaçadas por esse abandono que não cessa a loucura do que é verdadeiramente certo, prosperam a lucidez do errado triunfante.

Imaginar que nesse abandono muitas perspectivas reinam contra os serem pensativos e o bem maior desanima por acharem que o errado está sendo o forte conquistador das mentiras vitimizadas, um convencimento torto.

Nesse texto do abandono, escorre pela face do bem os cristais em águas límpidas de uma derrota sem explicações, entendimentos da simplicidade acanhada por não poder reagir as bagunças desse cotidiano desprezante que vem a passos avançados querer atrasar conquistas de uma luz clara para um entendimento sem o oportunismo de sempre que vislumbramos um dia ser o que há de mais correto.

Abandono das métricas sensatas nos comportamentos em veias latejantes que buscavam diálogos inteligentes, sem interesses obscuros, diferentes como estes em que nos tornam pensativos pela razão de se estar engarrafado no meio desse abandono, num texto qualquer em desconexo.

Rafael-Mourão

Abraços e Beijos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog

NEWS LETTER